Dores Orofaciais são aquelas que acometem a região da cabeça e pescoço. Elas podem causar uma sensação de dor em uma região que não é o local de origem real. “Muitas vezes torna-se difícil o diagnóstico do fator causal, que pode estar correlacionada à Disfunção da ATM (Articulação Têmporo Mandibular – responsável pelos movimentos de abertura, fechamento e lateralidade da boca), comenta a Mestre e Doutora pela USP, Especialista em Disfunção da ATM e Dores Orofaciais, Dra. Maria de Lourdes Rodrigues Accorinte. Segundo ela, as dores podem aparecer de diversas formas: no ouvido, na cabeça, nuca, região dos olhos, nos dentes, dores musculares na face. “Por ser um diagnóstico complexo, muitas vezes o paciente antes de chegar ao dentista já consultou otorrino, oftalmo, neurologista e até mesmo ortopedista”, comenta a especialista.

Segundo a Doutora M.Lourdes, o principal fator causal de Distúrbio (da articulação) da ATM é o stress. Mas, outros fatores podem ser os responsáveis como: Traumáticos (quedas, acidentes). Hábitos Para-funcionais (roer unhas, lápis, mascar chicletes, segurar o gancho do telefone com o ombro e pescoço). Sistêmicos (alterações hormonais, doenças reumáticas, fibromialgia, lassidão ligamentar), entre outros.

“Verificamos que a dor Orofacial atinge mais mulheres do que homens, entre 20 e 45 anos, podendo ter casos também em crianças e idosos, embora seja mais difícil”.

É difícil estabelecer maneiras de prevenção, mas ter uma qualidade de vida melhor, sem stress, auxilia a evitar a Dor Orofacial, embora, tenha algumas exceções, onde, mesmo as pessoas mais tranqüilas acabam desenvolvendo a dor, em função de certos hábitos como ranger ou apertar os dentes durante o sono.

Porém, para um diagnóstico mais preciso, é fundamental a visita a um profissional!

Fonte: Dra. Maria de Lourdes R Accorinte – QualiCenter Odontologia Ltda.